Como funciona o processo de produção de tijolos cerâmicos

Os materiais cerâmicos são utilizados pela humanidade a milênios, sobretudo devido a sua durabilidade e facilidade na obtenção de matéria prima. Não é possível precisar a data exata de criação do tijolo, contudo os historiadores acreditam que os romanos foram a primeira civilização a utilizar o tijolo na forma que encontramos hoje.

Não há dúvidas a respeito da importância do tijolo cerâmico para o desenvolvimento da construção civil. Neste artigo, você terá a oportunidade de conhecer as etapas do seu processo produtivo.

 

Extração da Matéria Prima

A argila é a matéria prima utilizada para a produção de cerâmicos. O material é encontrado de forma abundante na natureza, sobretudo na bacia de rios.

A argila é extraída da natureza com o auxílio de retroescavadeiras e transportadas até as cerâmicas em caminhões do tipo caçamba.

 

Estocagem da Argila

Visando assegurar o abastecimento da cerâmica e garantindo assim um bom andamento da produção. A argila é descarregada pelos caminhões e armazenada a céu aberto, próximo ao local de produção.

 

Destorroamento ou Moagem

O destorroamento é um processo realizado com o intuito de quebrar a argila em partes menores, para que assim os grãos estejam mais homogêneos e compatíveis com o caixão alimentador. Alguns casos onde se processa a matéria prima via seco, utiliza-se moinho para reduzir as pedras a pó.

 

Caixão Alimentador

Após passar pelo processo de britagem a argila é levada ao caixão alimentador, que tem como objetivo controlar a quantidade de massa argilosa a ser processada nas etapas posteriores.

 

Desintegradores

Os desintegradores são equipamentos voltados para a trituração dos torrões provenientes do processo de alimentação. Esta etapa contribui para que a massa torne-se mais homogênea.

 

Mistura

Nos misturadores a argila e a água são misturadas, formando assim, o “traço” ideal para a produção dos tijolos cerâmicos.

 

Laminação

No processo de laminação, rolos compactam a argila, eliminando o ar e os poros, transformando a argila em um material mais denso. Na laminação são eliminadas ainda pequenas pedras e outros materiais que podem ocasionar defeito nos produtos.

 

Extrusão

Após a laminação a massa argilosa é encaminhada para maromba ou extrusora. Neste equipamento a argila é forçada por um Rosca sem-fim (caracol) ou pistão para que passe em um molde definido de acordo com o tipo e formato do produto a ser produzido, formando assim uma coluna contínua para posterior corte.

 

Corte

Após a extrusão as peças passam pelo processo de corte, sendo a coluna contínua é conduzida por uma esteira, onde fios metálicos realizam o corte das peças em dimensões pré-estabelecidas, conforme determina a norma ABNT do setor.

 

Secagem

O processo de secagem antecede a queima e é utilizado para retirar o excesso de água, utilizado durante a fabricação do produto. Esta etapa é muito importante e precisa ser atentamente observada para que se evite defeitos nas peças, como trincas e outras deformações.

 

Queima

Após a secagem as peças finalmente podem ser encaminhadas para os fornos, em temperaturas sempre entre 750 e 900ºC. O processo de queima proporciona ao tijolo cerâmico aumento de massa específica, dureza e resistência mecânica.

 

Inspeção

Após a queima, os tijolos devem ser inspecionados visualmente para retirar dos lotes produtos defeituosos.

Por último os produtos são armazenados no estoque final, enquanto resfriar em temperatura ambiente para posterior para carregamento e expedição.

A Natreb oferece equipamentos e peças de reposição para cada etapa do processo produtivo de sua cerâmica, entre em contato com a nossa equipe e conheça os nossos produtos.